Tecnologia, Vigilância e Direitos Fundamentais: Desvelando a Transformação do Capitalismo na Era Digital

Estudar as interfaces entre tecnologia, vigilância e direitos fundamentais, principalmente em relação à segurança e privacidade, é socialmente relevante e importante para as Ciências Sociais. Isso ajuda a revelar uma transformação pouco explorada do capitalismo atual, baseada no conhecimento do comportamento dos usuários da internet, afetando sua capacidade de decisão e privacidade. Juridicamente relevante, essa pesquisa concentra-se em formas de comunicação e economia que desafiam normas constitucionais, como o respeito à vida privada e à adesão contratual.

A hipótese principal deste texto é que a sociedade é mediada e dependente de tecnologias de informação e comunicação em rede, coletando dados dos usuários para diversos propósitos. Essa vigilância baseada em dados é facilitada pelo uso crescente de algoritmos complexos que alimentam um novo tipo de capitalismo. Os usuários muitas vezes desconhecem os riscos ao conceder permissões online, o que configura um cenário de vigilância digital contemporânea.

O objetivo geral deste artigo é estudar a vigilância digital e como os dados sensíveis dos usuários são coletados e analisados para diferentes propósitos, identificando riscos aos direitos fundamentais, especialmente à privacidade. Dividido em três seções, o estudo descreve as formas tecnológicas de vigilância baseada em dados, analisa as relações entre a economia política do capitalismo contemporâneo e a privacidade, e compreende como Estados e organizações privadas utilizam a vigilância de dados eletrônicos. Metodologicamente, a pesquisa tem natureza exploratória, usando o método hipotético-dedutivo, abordagem qualitativa e técnica de pesquisa bibliográfica-documental.

Texto disponível em: <https://doi.org/10.18617/liinc.v16i1.5104>

Referência: FORNASIER, M. de O.; KNEBEL, N. M. P.; DA SILVA, F. V. Vigilância por dados, privacidade e segurança: entre a exploração pelo mercado e o uso estatal. Liinc em Revista, [S. l.], v. 16, n. 1, p. e5104, 2020. DOI: 10.18617/liinc.v16i1.5104. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/5104.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 19 =