Tecnopolítica, racionalidade algorítmica e mundo como laboratório

Em uma completa e reflexiva entrevista à DigiLabour, Fernanda Bruno, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e membro-fundadora da Rede Latino-Americana de Estudos em Vigilância, Tecnologia e Sociedade/LAVITS e coordenadora do MediaLab.UFRJ, fala sobre racionalidade algorítmica, racionalidade neoliberal, data commons e smart cities, capitalismo de vigilância, projetos de “resistência”, vigilância automatizada e trabalho humano.

A entrevista traz com riqueza de detalhes os tópicos supramencionados através de uma postura crítica e alertas referentes a magnitude e as consequências de um uso indiscriminado da tecnologia que reconfigura relações de desigualdade.

Disponível aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =